LEIA TAMBÉM

  • Sidetrack

5 comebacks inesquecíveis do BTS

Atualizado: Out 15

É isso mesmo, armys. O ano é 2020, o BTS completou seus simbólicos 7 anos de carreira e vem fazendo deste momento um dos mais intensos para o fandom em matéria de lançamentos.


Em fevereiro, fomos presenteados com o lançamento arrebatador do disco "Map of the Soul: 7", e um pouco mais tarde, em julho, veio a sua versão japonesa "Map of The Soul: 7 ~ The Journey ~". O espaço também foi dividido com a mixtape solo de Suga, intitulada D-2 e as novidades não param por aí: a promessa do lançamento do single Dynamite, para o dia 21 de agosto, vem sendo motivo de profunda euforia no fandom.


Por esse motivo, nós, armys sidetrackers, viemos apresentar aqui uma seleção de comebacks super marcantes para a nossa trajetória e é claro, para a trajetória do próprio BTS. Vem ver!



Bárbara: Skool Luv Affair (2014); Single: Boy in Luv


Skool Luv Affair sem dúvidas é uma saudação super relevante aos momentos descontraídos da juventude, quando tudo é sentido com o dobro da intensidade. É também totalmente expressivo no que diz respeito à criação de uma identidade e a manifestação da determinação do BTS como um grupo. Sonoramente, ele traz a mistura entre raps rasgados, diferentes usos do ritmo R&B, diálogos no meio das músicas e vocais doces, mostrando toda a intenção em propagar através de sua música as questões e sentimentos que os ajudavam a crescer como seres humanos naquele momento.


O álbum tem críticas explícitas em faixas como Tomorrow e Spine Breaker mas também um entusiasmo único em músicas como Just One Day e no lendário single, Boy In Luv. Nele, notamos um manifesto caloroso de garotos apaixonados, sedentos por viver um sentimento novo e acolhedor. A coreografia intensa, o ritmo carregado com a sonoridade das guitarras, os vocais falados e até as maquiagens mais escuras marcam essa era, onde as pessoas se apaixonam por essa energia juvenil e contagiante que ao mesmo tempo é capaz de ensinar um novo jeito de observar e entender o mundo.




Anna Clara: Wings (2016); Single: Blood Sweat & Tears


É claro que não podemos esquecer daquele que foi um divisor de águas na carreira do BTS. A elegância conceitual que permeia toda era Wings é atraente e inesquecível. Não estamos falando de apenas uma parte, e sim, o conjunto da obra. As referências artísticas e literárias, como a obra Demian do escritor alemão Herman Hesse, compõe ainda mais a genialidade do que foi esse momento na história do grupo. Começando pelos teasers iniciais apresentando o solo de cada membro (fun fact: foi o primeiro álbum onde isso aconteceu), em seguida temos Blood Sweat & Tears conquistando o mundo e entregando um dos MVs mais lindos da carreira deles e do k-pop.


A inegável beleza continua com a sonoridade a disco, concedendo composições intrinsecamente únicas como Lie, Reflection e Awake, e particularmente poderosas como Cypher 4, 2!3! e 21st Century Girl. Unindo todos os elementos notáveis acima, a turnê, The Wings Tour, poderia ser no mínimo memorável, tanto para fãs quanto para eles. Eles foram para vários países do mundo, incluindo Chile e Brasil, se tornando grandes e excepcionais, assim como o próprio álbum. Wings foi o começo de tudo. Ele, literalmente, deu as asas para o grupo voar bem alto, possibilitando a abertura de várias portas, que desde então não param de abrir. É uma verdadeira honra saber que o Wings existiu no nosso mundo.




Maria Eduarda: Map Of The Soul: Persona (2019); Single: Boy With Luv


Depois da era Love Yourself (2017-2018), que também é muito amada por aqui, Persona é o marco inicial para a era Map of The Soul, do BTS. As sete faixas (Intro: Persona; Boy With Luv; Mikrokosmos; Make It Right; Home; Jamais Vu e Dionysus), formam um combo poderoso, capaz de nos fazer não somente colocar os fones de ouvido e sair movendo toda a mobília da casa, enquanto falhamos miseravelmente em fazer os movimentos perfeitos das coreografias do septeto - mas tudo bem, porque o importante é ser feliz, como também nos permite ter momentos de introspecção e reflexão, sentados em um cantinho, em uma coisa mais intimista, bem particular.


Falando de conceito, Map Of The Soul: Persona se relaciona com o trabalho de duas pessoas: Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço, fundador da psicologia analítica; e Murray Stein, autor canadense que organizou as teorias propostas por Carl Jung, em trabalhos como o livro "Jung's map of the soul", de 1998. Sendo assim, em Persona temos uma variedade de questões internas e importantes sendo discutidas, como a busca por si mesmo e as questões do ego.


O trabalho trouxe colaborações com outros artistas e produtores, como a cantora estadunidense Halsey, e os britânicos Ed Sheeran e Arcades (duo).


Aí vem a pergunta: "Quais são as faixas preferidas de vocês?"


E a gente vai ter que te dizer que são todas, porque Persona é um conjunto perfeito. Vale também uma menção honrosa para Dionysus, última do álbum, que se difere das outras faixas, por sua pegada mais rocker. Persona é, definitivamente, um dos nossos comebacks favoritos do BTS.



Leonardo: Map of The Soul: 7 (2020); Single: ON


No dia 21 de fevereiro de 2020, BTS faz o comeback que veio para salvar o primeiro ano da nova década. Com o single promocional intitulado Black Swan, o grupo apresenta o seu quarto álbum de estúdio "Map Of The Soul: 7", que volta a explorar as teorias do psiquiatra Carl Jung, mostrando um crescimento visível de cada membro. O álbum conta com 14 faixas inéditas e 5 reedições do trabalho anterior.


Com uma nova proposta visual e sonora, o grupo parece estar interessado a trazer assuntos pertinentes e atuais da nossa sociedade, como observado no interlúdio de Suga, intitulado Shadow, que abre oficialmente às faixas inéditas. O MV em conjunto com a música nos apresenta uma inquietude do rapper, que tende a nos mostrar sua perspectiva em relação ao seu próprio status de idol e como isso não se difere das nossas vivências enquanto fãs e espectadores.


Black Swan traz uma sonoridade mais melancólica e em seus vídeos clipes, movimentos mais elaborados e dramáticos.

A música ON, como faixa principal, trouxe grandes conquistas ao grupo, como um feat com a artista Sia e alcances incríveis nas principais paradas musicais internacionais.

O álbum segue com incríveis momentos, como as músicas solos de cada membro do grupo, apresentando uma sonoridade muito pessoal e intimista de cada um e parcerias igualmente louváveis, a exemplo das faixas Respect (RM e Suga) e Friends (Jimin e V).


Mas os 7, assim como o álbum carrega no título, não economizam e se abrem através da fragilidade de reconhecer o próprio crescimento na 18° faixa do álbum em We Are Bulletproof: The Eternal, nos levando a uma certa nostalgia ao começo de suas carreiras e a música de sucesso We Are Bulletproof dos álbuns 2 COOL 4 SKOOL e O!RUL8,2? , e traça uma viagem no tempo, lembrando todos os momentos que o grupo vivenciou, mas que conforme indica o título, eles foram fortes o suficiente em todos eles e são à prova de balas (em tradução livre). Dessa forma, o BTS conseguiu trazer uma mensagem de esperança não somente a suas próprias carreiras, mas ao fandom Army e para o mundo todo.


MENÇÃO HONROSA


O disco "The Most Beautiful Moment in Life pt 2" é a nossa última escolha dessa lista. Esse é um álbum especial para todo o fandom e conta com muitas queridinhas: Butterfly, House of Cards e Silver Spoon. Além das músicas, nunca nos esqueceremos do visual impecável de Suga com seu mint hair. #saudades




SIGA-NOS NO INSTAGRAM!

Estamos ouvindo!

  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Spotify
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone Pinterest
  • Preto Ícone Flickr

© Sidetrack Magazine