• Lukas Ramos

CyberKills e a influência da PC Music na música brasileira

Atualizado: 8 de Set de 2019

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar da PC Music ou escutado alguma música influenciada por ela. O som, que conquistou Madonna, Lady Gaga e Rihanna, para muitos é um estilo musical. Porém, na verdade, trata-se de uma gravadora independente fundada em Londres e encabeçada por pelo produtor A. G. Cook. A gravadora, que existe desde 2013, ficou conhecida por reinterpretar a música pop de uma maneira surreal e/ou exagerado. Em meio a sintetizadores e vozes distorcidas, as produções misturam referências dos anos 90 com uma sonoridade futurística e recebem fortes influências da cibercultura.


O trabalho ousado e inovador chamou a atenção e começou a ser incorporado no mercado mainstream. Em 2015, Madonna contou com a ajuda da produtora SOPHIE (um dos principais nomes desse movimento), que levou suas batidas para compor a sonoridade de Bitch I'm Madonna. No ano seguinte, Charli XCX também contou com a ajuda de SOPHIE para um de seus trabalhos. A colaboração resultou no EP Vroom Vroom, que nos rendeu a icônica faixa-título.

Desde então, a sonoridade ganhou ainda mais força no cenário musical e fãs, principalmente para aqueles que costumam consumir esse pop meio "fora da curva". Dentre os principais destaques, SOPHIE conseguiu indicação ao Grammy, com seu debut no ano passado, e Charli adotou de vez o "pop revolucionário", que possibilitou as obras-primas Number 1 Angel e Pop 2.


Como já era de se esperar, a influência da PC Music chegou até o Brasil e um dos nomes que estão agilizando esse corre na cena nacional é o CyberKills. A dupla é composta pelos produtores Gabriel Diniz e Rodrigo Kills, que trabalham juntos desde o ano passado. Com fortes influências da PC Music, o duo flerta com o bubblegum pop, o house, o techno e o industrial. E, misturam esses gêneros às suas referências brasileiras, como Brazilian bass, forró, melody, brega e funk.


O Cyber do CyberKills


e Kills do CyberKills


Um fato curioso é que eles ainda não se conhecem pessoalmente, mas a distância entre João Pessoa (PB) e Olimpia (SP) não foi um impedimento para a dupla. Eles ligam a câmera, fazem uma chamada de vídeo e, assim, trabalham virtualmente nas suas produções.


Fãs de Lady Gaga, eles já se seguiam nas redes sociais. Mas, a relação só ficou mais próxima quando Rodrigo postou um remix que tinha produzido de 5 in the Morning (Charli XCX) e despertou a atenção de Gabriel, que foi até sua DM sugerir a parceria. A ideia era produzir um remix para Buzina (Pabllo Vittar) com a vibe da galera da PC Music. O remix foi feito e apesar de ser uma produção amadora e com recursos limitados, eles perceberam que juntar suas mentes criativas seria uma ótima ideia. E, assim surgiu o CyberKills.


O projeto inicial de resultado amador tempos depois tornou-se um remix oficial de Buzina, integrando a tracklist do álbum de remixes do Não Para Não, da Pabllo Vittar. Em entrevista à SIDETRACK, Rodrigo conta que eles entraram em contato com a equipe da drag para pedir a versão acapella da faixa, mas sem intenção de oficializar o remix.

"Nossa intenção era ter mais conteúdo na internet e a princípio 'refazer' o nosso primeiro remix da música, que foi criado em dezembro com a acapella filtrada e com péssima qualidade. Então, com a acapella oficial decidimos recriar um remix totalmente novo", conta Rodrigo. Depois de pronto, Gabriel, que já era amigo de Pabllo há alguns anos, decidiu mandar a versão para ela. "Quando recebemos a acapella da equipe dela e preparamos o remix, eu a enviei, ela pirou, amou demais o que fizemos e me garantiu que faria parte do NPN Remixes. Esperamos um pouco e meses depois estávamos lá, abrindo o disco, e compartilhando o álbum com outros remixers dos quais somos muito fãs".

E, não parou por aí. O remix de Buzina estrelou a campanha da Pabllo Vittar para a Calvin Klein, no mês de junho. "O rolê da CK foi uma surpresa (e das boas). Estávamos rolando o feed, quando, do nada a Pabllo posta e nosso remix está tocando. Dois dias depois, o perfil oficial da Calvin Klein também postou o vídeo, foi surreal!", comentou Gabriel. "Ficamos muito contentes e honrados por termos feito parte. Vamos sempre ser gratos pela oportunidade que a Pabllo nos deu", completou Rodrigo.


Além de Buzina, o duo lançou outro remix de uma música da Pabllo. No dia 28 de agosto, eles liberaram sua versão do mais recente single da drag, a parceria com Charli XCX, Flash Pose. Outras produções do grupo foram os remixes para Garupa, da Luísa Sonza, Eu te proíbo de ter esse poder sobre mim, do Bemti, e a mais recente é para Corpo Sem Juízo, da Jup do Bairro. Outro trabalho de destaque do grupo é a produção do single Amor Fajuto, da Mia Badgyal.

A influência da PC Music ainda é algo recente na indústria musical nacional. Para o duo, por conta da sonoridade não ser algo muito comercial ainda há preconceito com o estilo. Mesmo assim, eles são confiantes e acreditam no sucesso desse gênero. Gabriel aponta que o ritmo está começando a ter uma boa notoriedade. "[Essa sonoridade] está em ascensão na galera LGBT. Um salve para Pabllo que trouxe o som da Charli pro nosso país em três parcerias, e vez ou outra é vista compartilhando desse som. Além dela, a Mia Badgyal, a Frimes, o Leo Hainer, JLZ, Fuso, e até a galera do Brabo Music anda flertando bastante com essa sonoridade e acaba acostumando os ouvidos do nosso público", pontuou o produtor. Rodrigo também destaca a influência de Pabllo na promoção desse estilo. "Quando algum artista grande que tem influência (no nosso caso, Pabllo Vittar) nos dá essa liberdade criativa, o público começa abrir a mente para ouvir novos sons. A influência de artistas grandes é importantíssima para abrir portas no cenário musical", afirmou.


O duo tem planos de contribuir ainda mais com a cena nacional. "Buscamos unir forças a artistas, também, alternativos e criarmos uma conexão coesa com o som de ambos", afirmou Gabriel. A dupla sonha em conseguir trabalhar com diversos artistas, dentre eles estão Duda Beat, Linn da Quebrada, Pitty, Potyguara Bardo e Urias. Outro nome que promete fazer parte das produções é a cantora FRIMES, que, assim como os meninos, também trabalha o estilo da PC Music em suas músicas. "Ela [FRIMES] tem tudo a ver com nosso som, inclusive estamos preparando algumas coisas novas e pretendemos lançar muito em breve", falou Rodrigo.


E se você curtiu o som dos meninos, pode ficar atento que eles tão só começando e tem muita coisa boa prometendo vir por aí. Gabriel adiantou que eles estão trabalhando em novos projetos. "Atualmente estamos desenvolvendo nosso próprio som, descobrindo novas sonoridades e colocando nossa cara nisso tudo. Temos muitas demos em estágio final e planejamos lançar singles". "Estamos trabalhando em músicas autorais e pretendemos lançar nosso primeiro EP até o final do ano, o que podemos dizer é que vai ser um som totalmente novo do CyberKills que vocês nunca ouviram em nenhum outro trabalho do projeto", acrescentou Rodrigo.


Para conhecer mais do trabalho do CyberKills, você pode ouvi-los no perfil do duo no SoundCloud, no YouTube e segui-los nas redes sociais, que é @cyberkillsmusic tanto no Instagram quanto no Twitter. Também tem os perfis individuais, @gbrldiniz e @rodrigokills, no qual vocês irão perceber que eles são muito mais do que puro talento, eles também tem um rostinho bonito.


  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Spotify
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone Pinterest
  • Preto Ícone Flickr

© Sidetrack Magazine