• Bárbara Bigas

SHINEE IS BACK! Confira o retorno do grupo com seu 7º álbum de estúdio


Após um hiato de quase 2 anos que encheu nosso coração de saudade, o SHINee finalmente está de volta com seu mais novo álbum de estúdio Don’t Call Me.


O grupo sul-coreano formado por Minho, Key, Onew e Taemin, pausado devido ao serviço militar obrigatório de seus membros, não hesitou em voltar à ativa com novas propostas e estilos, mostrando tudo de si mesmos.


O desejo do grupo em estar de volta na cena do k-pop foi determinante para que pudessem entregar um álbum completamente ousado mas sem exageros, capaz de transitar entre batidas dançantes e autênticas, mesclando-as com vocais poderosos e letras cheias de romantismo.


Grupo de k-pop SHINee, em foto promocional para o seu 7º álbum "Don't Call Me"
Foto promocional para o álbum Don't Call Me - ©️ SM Entertainment

SHINee desde sempre foi conhecido pelos seus vocais intensos e músicas que abusam muito disso: trechos e linhas viciantes que se tornaram clássicos do k-pop, juntamente de seus instrumentais e coreografias icônicas, como Ring Ding Dong, View e LUCIFER. Era dessa forma que esperávamos que o grupo voltasse, confortando todo o tempo de espera dos fãs com hits nostálgicos.


No entanto, a homônima Don't Call Me, faixa-título de seu novo álbum, foi uma surpresa para todos. A inauguração de uma nova era para o grupo após 2 anos de ausência marcou também o início de uma exploração de novas possibilidades em suas próprias músicas.


Com um conceito badass e uma coreografia complexa e detalhista, o quarteto mostrou uma faceta totalmente diferente - e se arriscarmos dizer, até desconhecida - para a maioria dos fãs.

A forte influência do hip-hop e de trechos de rap na maior parte da música fizeram de Don’t Call Me uma faixa única na discografia de SHINee. Mesmo que tenha mostrado uma outra face de sua personalidade, o grupo não deixou de trabalhar com aquilo que é seu ponto mais forte: os vocais. Linhas complexas divididas entre Taemin e Onew suavizaram muitos dos pontos de tensão da música, que conseguiu levar ao ouvinte uma experiência sombria e misteriosa desde o princípio.


Os centers e linhas bem distribuídas entre os integrantes comprovaram que mesmo que o SHINee esteja apostando em algo totalmente novo para sua carreira, eles não deixaram de fazê-lo com maestria.


Grupo de k-pop SHINee, em foto promocional para o seu 7º álbum "Don't Call Me"
Da esquerda para a direita: Onew, Taemin, Key e Minho - © SM Entertainment

Logo no início, após a faixa principal, somos acalentados com a sonoridade EDM e um pop altamente descolado, característico do SHINee. Heart Attack, Marry You, I Really Want You e Kiss Kiss são músicas perfeitas para dar play quando quiser se sentir feliz ou até quando precisar se declarar para alguém, tamanha a paixão e admiração demonstradas nas letras. SHINee exibe um sentimentalismo quase que infantil, como se cantassem ao primeiro amor de suas vidas, inexperiente e impulsivo.


Body Rhythm é quando todo o sentimentalismo das faixas anteriores se encontra também na sensualidade. Uma batida lenta remetendo a um pop latino embala versos quentes e sugestivos em um refrão chiclete, ao som da frase "Won't you follow my body rhythm?"*


*(Em tradução livre: você não vai seguir o ritmo do meu corpo?)


Em CØDE temos a retomada de batidas marcantes e vocais igualmente sofisticados, e causa uma nostalgia ao se assemelhar às músicas mais antigas do grupo. Já em Attention o instrumental é simples e repetitivo e sua elegância está na delicadeza de seus vocais e de seu refrão. Em Kind, o grupo aposta em uma melodia serena e calma, com vocais leves e sem muitas extravagâncias. É o fim perfeito para uma experiência sonora completa e agradável a diversos gostos.


Com Don't Call Me, SHINee retornou demonstrando como toda a experiência adquirida ao longo de 12 anos de carreira pode ser explorada das mais diferentes formas. O grupo não se conforma em estar em sua zona de conforto e assim possibilita que, a cada comeback, mais e mais pessoas descubram o seu talento.

Nota: 88/100

Melhores faixas: Heart Attack, Body Rhythm, CØDE

Estamos ouvindo!

LEIA TAMBÉM