• Bárbara Bigas

Julie Neff e o espírito livre de sua música


A música é capaz de transformar, como qualquer outra forma de arte, a realidade que vivemos. Ela empodera e educa. Ao falarmos dessa magia intrínseca da quarta arte, muitos nomes vêm à nossa cabeça, mas a pauta de hoje tem como objetivo apresentar Julie Neff, cantora e compositora canadense e seu mais recente trabalho, o EP Over It.


Julie, que já viveu em diversos países diferentes e teve contato com as mais diferentes culturas, tem muitas experiências para relatar. Por isso, ela busca sintetizar em suas músicas a liberdade, superação dos próprios limites e a convicção nas mudanças que deseja para si mesma, contando com a habilidade de inspirar outras pessoas por meio das mensagens de suas músicas e de seus demais projetos artísticos.



© Lindsay Duncan

Em 27 de janeiro de 2021, seu segundo EP Over It chegou até as plataformas de streaming revelando elementos interessantes como a participação do rapper 3-Card, natural da Uganda e a capa assinada pela dupla brasileira Larissa Lisboa e Mayra Soares, da SoLi Girls, além de 6 faixas apaixonantes, de sonoridade madura e intensa, mostrando uma nova face de Julie.



Capa do EP 'Over It' | Design por SoLi Girls

Outros projetos além de sua carreira solo fazem parte do trabalho da cantora. Julie é co-fundadora do Eclectic Comfort, um coletivo de audiovisual que até 2019 registrou diversas sessions de artistas em seu canal. Artistas brasileiros que estiveram no Canadá, como Scalene, Far From Alaska e Trampa participaram desse projeto. Em seu instagram, ela também promove a Neff Said Series, uma série de conversas com 90% do foco voltado para artistas mulheres.



Faixa a faixa do EP ‘Over It’


A voz potente e marcante de Julie protagoniza músicas com nítida influência do blues e R&B, e encontra sua identidade na mescla desses elementos com a sonoridade pop e rock das faixas. Se você escutar suas músicas e se lembrar de Florence Welch ou Feist, você está no caminho certo, afinal essas são cantoras que Neff lista como suas inspirações.


Over It é um EP intimista, que expressa pensamentos individuais da cantora frente ao mundo. Não apenas o seu mundo, mas o mundo que compartilha com outros seres humanos em pleno amadurecimento e diante de diversas lutas, sejam elas pessoais ou coletivas.


Em faixas como What Am I Doing This For e Those Dreams, Neff aborda a posição da mulher na sociedade e as dificuldades que a permeiam. A cantora, engajada nas pautas feministas, traz a discussão sobre consentimento e desigualdade de gênero, ao mesmo tempo que discute questões mais universais: os empecilhos existentes em relacionamentos amorosos, nos sentimentos que cultivamos por outras pessoas e as inseguranças mascaradas por nós a todo momento, como revela sobre a faixa Swagger: “Charme e brilho do lado de fora podem ser uma máscara que usamos, uma armadura para nos defender contra as vulnerabilidades da conexão romântica”.


Siren Call é uma faixa já conhecida pelos ouvintes da cantora. Isso porque ela esteve presente em Catharsis, o primeiro EP de Neff. Agora, em Over It, ela se apresenta com uma nova roupagem: um instrumental mais complexo e refinado, com arranjo para banda. Essa mudança foi definida pela cantora como uma “versão mais cinematográfica” da canção.


Fechando o EP, temos A Lot Left to Learn, uma canção leve e que explora a incerteza e vulnerabilidade de nossos sentimentos. A lição que fica é que mesmo que sintamos com intensidade, nem toda relação depende só disso: estamos presos a contextos e momentos que nem sempre podemos controlar.


Melhores faixas: Swagger e What Am I Doing This For

Com tanta profundidade a nos apresentar, Julie Neff inicia sua carreira de modo brilhante, e aguardamos atentamente os seus próximos passos.



Acompanhe a cantora nas redes sociais:


Instagram | Facebook | Youtube

Estamos ouvindo!

LEIA TAMBÉM