• Lukas Ramos

Novo álbum do Romero Ferro deixa o pop nacional ainda mais brega


Romero Ferro mistura brega, pop e new wave no disco FERRO. (Créditos: Arquivo/Twitter)

Depois do brega indie de Duda Beat, chegou a vez de outro pernambucano colocar todo mundo para dançar as sofrências. Na última sexta, 30, Romero Ferro lançou seu segundo álbum de estúdio, intitulado FERRO, que promete deixar o pop nacional ainda mais brega.


Se você ainda não está familiarizado com o nome de Romero, então, segue uma breve introdução sobre ele. Ferro é um cantor e compositor, natural da interiorana Garanhus (PE). A carreira na música começou em 2013, com o EP Sangue o Som, e aos poucos foi fazendo seu nome pela cena nordestina. Três anos depois, ele lançou seu disco de estreia, Arsênico. O álbum impulsionou sua carreira pelas outras regiões do país e lhe rendeu uma indicação ao Prêmio da Música Brasileira de 2017. Romero foi indicado na categoria Melhor Cantor e competiu com Luiz Caldas e Odair José, que foi quem acabou levando o prêmio para casa. E, desde o ano passado, o cantor assumiu de vez suas raízes bregas para essa nova era.


Em 2018, lançou os primeiros singles do seu novo disco. Pra Te Conquistar e Acabar a Brincadeira foram as escolhidas e apresentam ao moderníssimo brega de Romero, que mistura os sintetizadores de teclado do new wave ao típico ritmo brasileiro. É como se colocassem Blondie, Cindy Lauper, Pabllo Vittar e Luiz Caldas em um liquidificador.



Neste ano, Romero também aqueceu a todos com sua parceria com Duda Beat, no single Corpo em Brasa. A melhor do álbum, a música é um brega que tá mais para o lado do pop do que pro new wave. Como remete o título, a faixa é quente, divertida e é ótima para fazer o peito tremer, suor escorrer e descer até o chão da praça.



Além de Duda, Romero contou com outras parcerias para compor a trilha do disco. Quando Ele Perguntar por Mim conta com a participação de Otto e em Tolerância Zero ele divide os vocais com a cantora Mel (ex integrante da Banda UÓ) e o rapper baiano Hiran. Destaque para a última faixa, que abre espaço para uma mensagem de militância política do cantor. Esse é um tema que Romero acredita que deve ser abordado, pois para ele os artistas "precisam lutar por causas".


Mas um bom brega tem que ter aquela sofrência pesada. No álbum, isso fica por conta das faixas Verdadeiro Amor e Você Vai Ver, sendo a última uma regravação de um sucesso de Zezé di Camargo e Luciano. Apesar de não apresentar drásticas mudanças na nova versão, Romero consegue fazer um bom trabalho em trazer a sensação de nostalgia, mas de uma forma que consegue dialogar melhor com seu público.



O disco ainda conta com as músicas FAKE, Love Por Você e Cansei de Você, que dão força a essa sonoridade híbrida do brega wave.


De Pabllo Vittar com Corpo Sensual e Seu Crime a Duda com Bixinho e Meu Jeito de Amar, o brega ganha cada vez mais destaque dentro do pop nacional. Seja pela efervescência do ritmo acalorado ou pela delícia de ouvir o sotaque, o motivo eu não sei explicar, mas sei que é muito bonito ver esse som nordestino contagiar o restante do país. E, Romero Ferro é um bom nome para fortalecer esse movimento.


Você pode conferir o álbum completo no Spotify.



LEIA TAMBÉM

SIGA-NOS NO INSTAGRAM!

Estamos ouvindo!

  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Spotify
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone Pinterest
  • Preto Ícone Flickr

© Sidetrack Magazine